Deputado crê que proibição de bebida nos estádios alagoanos deve ser mantida


Apesar de convicção, Bruno Toledo diz que não terá votos suficientes para barrar veto


O veto total ao Projeto de lei que autoriza a venda e o consumo de bebidas alcoólicas em eventos esportivos deverá ser votado na próxima terça-feira. Mas diante do cenário político, o autor da matéria, deputado Bruno Toledo (Pros), imagina que o veto do governador Renan Filho (PMDB) será mantido.

“Parece que a cota do governo se encerrou com os vetos da Escola Livre e da Ideologia de Gênero, onde a parte mais conservadora da Casa não aceitou o posicionamento do Executivo, derrubando os vetos”, esclareceu Bruno Toledo, referindo-se a derrota que o governo teve nas duas matérias, apesar de ter a grande maioria na Assembleia Legislativa.

Para o líder do Pros na Casa de Tavares Bastos, os deputados devem manter o veto atendendo ao pedido do governo, e de certa forma, indo de encontro com seus próprios posicionamentos, uma vez que, o projeto foi aprovado em primeira e segunda discussão pela grande maioria dos presentes. “Lamento, mas entendo que é democrático”, disse.

Mesmo diante das circunstâncias, Toledo falou que vai continuar defendendo o projeto e tentando convencer os colegas que estatisticamente e cientificamente, não há associação da bebida alcoólica com a violência e destacou mais uma vez, que seu projeto não tem vício de iniciativa e que não provocará o aumento da violência nos estádios.

“Hoje a bebida alcoólica é proibida nos estádios, porém, no último final de semana, vândalos e bandidos trajados de torcedores promoveram cenas de violência, o que é um fato lamentável, isso sim, é que tem que ser combatido, mas não se pode colocar a culpa na bebida”, declarou Bruno Toledo.

Recentemente o parlamentar encontrou diversas autoridades alagoanas, algumas contrárias ao projeto, assistindo ao jogo em Recife, ingerindo bebida alcoólica.


Fonte: Tribuna Hoje


Share on Google Plus

About Canal Na Hora

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Inhapi Informes ou de seus colaboradores.