CSA vence o ASA e praticamente garante classificação para as semifinais do Alagoano










No primeiro clássico entre CSA e ASA em 2016, melhor para o time azulino na tarde deste domingo (03) no Estádio Rei Pelé. O time alvinegro foi pressionado no primeiro tempo, mas marcou na segunda etapa, perdeu várias chances claras de gol, mas garantiu a importante vitória por 1 a 0.

A vitória coloca o time marujo com 9 pontos no Hexagonal, praticamente garantido pelo menos entre os quatro que se classificam para as semifinais do Alagoano. O próximo jogo do time marujo é contra o Santa Rita em Boca da Mata. Já o ASA com apenas um ponto, está em situação complicada e precisa vencer seus jogos e torcer por uma combinação de resultados. Seu próximo jogo será contra o Coruripe em Arapiraca.

O JOGO – 1º TEMPO

Bola rolando no Estádio Rei Pelé e era o ASA quem tomava a iniciativa do jogo. A equipe alvinegra marcava a saída de bola do CSA, que tinha dificuldades para criar jogadas. Mas, quando o time marujo chegou, balançou as redes. Rafinha cruzou e David Dener mesmo desequilibrado se jogou e desviou para o gol, mas o impedimento estava marcado.

A partir daí o ASA dominou o jogo e por muito pouco não abriu o placar. Primeiro, Everton Heleno aproveitou sobra de bola e bateu forte, com a bola atingindo a trave. Minutos depois, Chiquinho bateu escanteio, o goleiro Jefferson afastou e de primeira, Rafael emendou e a bola tinha endereço certo, mas o goleiro azulino fez uma defesa espetacular, mandando a bola para escanteio.

Na reta final do primeiro tempo, as duas equipes apertaram a marcação no meio de campo, aumentando o número de faltas. O CSA tinha seis pendurados, dois deles foram “amarelados”, Panda e David Denner, que ficam de fora do jogo contra o Santa Rita.

Nos minutos finais, o técnico do CSA, Oliveira Canindé resolveu mudar o time marujo, tirando o lateral e capitão Choco, para entrada de Hudson. Aos 46 minutos, final do primeiro tempo, com empate entre CSA e CSA no “Trapichão”.

2º – TEMPO

Na volta para o segundo tempo, o ASA tentava fazer o mesmo que fez na etapa inicial, pressionando o CSA na saída de bola. Mas, o time marujo veio atento para campo e complicou os planos da equipe visitante.

Logo aos 7 minutos de jogo, o CSa foi ao ataque e Panda cruzou, encontrando o zagueiro Douglas Marques, que subiu sozinho e testou para o fundo do gol, fazendo a festa da torcida azulina no Rei Pelé.

No segundo tempo era o CSA que comandava as ações. EM mais uma tentativa, Rafinha avançou pela esquerda e cruzou nos pés de David Denner, que não aproveitou e mandou para fora.

O ASA era que tinha dificuldades, não conseguia penetrar na área rival e arriscava de longe, mas ainda não acertava o alvo. O time marujo por sua vez, sabia administrar o resultado. Não aplicava o seu contra-golpe perigoso, mas ainda era melhor.

O jogo entrava nos 15 minutos finais e o CSA teve grande chance de matar a partida. Bola para área, o ASA totalmente desorganizado e o time azulino chegou, com a bola sobrando para Soares, que tinha Cleyton como opção, mas tirou do goleiro, mas Ramon salvou quase em cima da linha

A partida estava nas mãos do CSA. Em mais uma chance, aos 37 minutos, Soares cruzou na área e Davi Denner se esticou, parando no goleiro Tom que deu rebote, mas na sobra, Jean Kléber com a barra praticamente aberta, mandou muito forte, por cima do gol. O CSA abusava de perder gols. Soares saiu sozinho, carregou, frente a frente com o goleiro rival e bateu em cima do arqueiro.

A torcida do CSA, apesar de ver o time ganhando, se mostrava impaciente com a displicência do time azulino, que desperdiçava gols e ainda via o ASA se lançando ao ataque, uma vez que precisava do resultado.

Nos últimos minutos o ASA foi ao ataque e assustou com Dudé, que tirou Hudson da jogada e mandou muito perto da baliza defendida por Jefferson. Aos 48 minutos, final de jogo no Rei Pelé, CSA 1 x 0 ASA.


Fonte: Cada Minuto




Share on Google Plus

About Canal Na Hora

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Inhapi Informes ou de seus colaboradores.