Citados na Lava-Jato estão ligados a 107 offshores, revelam documentos


A investigação Panama Papers examinou milhões de arquivos e mostrou como empresas operavam para facilitar transações financeiras ocultas







Suspeito de ter ajudado a esconder a identidade dos reais donos do tríplex no Guarujá que pertencia supostamente à família do ex-presidente Lula, o escritório de advocacia e consultoria panamenho Mossack Fonseca está envolvido na criação de empresas offshores para, ao menos, 57 investigados pela operação Lava Jato. A informação foi divulgada pela investigação jornalística Panama Papers, conduzida, há cerca de 1 ano, em colaboração por 376 jornalistas de 109 veículos em 76 paíseis.

O acervo investigado contém 11,5 milhões de arquivos e mostra como empresas opevaravam para ajudar líderes mundiais, políticos, traficantes a realizar transações financeiras ocultas. Ao todo, 128 políticos de todo o mundo são citados na documentação, entre eles o presidente russo Wladimir Putin, que teria desviado dois milhões de dólares, em nome de pessoas próximas, por meio de bancos e empresas fantasma.

Citados de maneira direta ou indireta, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o usineiro e ex-deputado federal João Lyra (PTB-AL) estão entre os políticos brasileiros mencionados nos arquivos. Outros nomes de políticos brasileiros que aparecem são Nestor Cerveró e Edison Lobão.


Os documentos revelam que, ao menos, 107 empresas offshore estão ligadas a investigados pela Lava-Jato e que a Mossack Fonseca operou para seis grandes empresas e famílias citadas na operação, como a empreiteira Odebrecht e as famílias Mendes Júnior, Schabin, Queiroz Galvão, Feffer e Walter Faria.

A investigação também revelou que havia offshores controlados pelos primeiros-ministros da Islândia e do Paquistão, o rei da Arábia Saudita e os filhos do presidente do Azerbeijão.



Fonte:Tribuna Hoje

Share on Google Plus

About Canal Na Hora

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Inhapi Informes ou de seus colaboradores.