Foragido da Justiça de Pernambuco por roubo de cargas é recapturado em Mata Grande

Foragido preso em Mata GrandeAgentes policiais civis de Mata Grande prenderam, na tarde desta quarta-feira (26), por volta das 15h, um homem foragido da Justiça de Pernambuco, acusado de roubo de cargas. José Roberto da Silva, conhecido como “Nem”, 38, tinha em aberto um mandado de prisão, expedido pela comarca de Petrolândia - PE.

A recaptura aconteceu depois que José Roberto se envolveu em uma confusão e foi levado para a delegacia de polícia da cidade (28º-DP) para averiguação. O mesmo tinha agredido uma pessoa com uma paulada e por isso foi submetido a um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Durante o procedimento, o homem teria ameaçado os policiais civis, dizendo que era matador de policial. Por causa disso, foi realizado um levantamento e descoberto que ele era na verdade um foragido da Justiça.

Na relação criminal de José Roberto, constava que por ordem judicial, o mesmo tinha sido preso em maio de 2005 e que em fevereiro de 2008 foi condenado a quase 10 anos de prisão, em regime fechado, pelo crime de roubo, ocorrido em Petrolândia. Em março de 2009, ganhou liberdade condicional, mas voltou a ser procurado pela polícia, em abril de 2010, quando fugiu e teve a condicional suspensa.

Com um novo mandado de prisão em aberto, o homem que é natural de Inajá, em Pernambuco, fugiu para a cidade natal e depois para Mata Grande, onde trabalhava como catador de materiais recicláveis.

Segundo o agente policial Péricles, chefe de serviço do 28º-DP, durante a prisão, o pernambucano confessou a prática de roubo de cargas e que realizava pistolagem.

Depois de ser ouvido pela delegada distrital, Gracielly Marques, o preso foi levado para a Delegacia Regional de Polícia (1ª-DRP), sediada em Delmiro Gouveia, onde ficou recluso à disposição da Justiça.
Share on Google Plus

About Inhapi Informes

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Inhapi Informes ou de seus colaboradores.