Acusados de homicídio e tráfico de drogas são presos durante operação em Mata Grande

[caption id="attachment_4959" align="alignleft" width="300"]Minuto Sertão Minuto Sertão[/caption]

Duas pessoas acusadas de homicídio e tráfico de drogas foram presas, na noite desta quinta-feira (2), durante uma continuação da Operação Pente Fino, desencadeada pelas polícias Civil e Militar, em oito municípios sertanejos. Jaime Silva dos Santos, 34, e Manoel Rodrigues dos Santos, conhecido como “Lalinha”, 32, foram presos na cidade de Mata Grande.

As prisões foram realizadas após levantamentos realizados pela Polícia Civil que vinha monitorando os acusados há mais de uma semana. O primeiro a ser preso foi Jaime dos Santos, foragido do sistema prisional de Mirandópolis, estado de São Paulo.

Segundo o delegado Rodrigo Rocha Cavalcanti, titular da Delegacia Regional de Polícia (1ª-DRP), Jaime estava respondendo em regime semiaberto pelos crimes de homicídio e tráfico de drogas no estado paulista e tinha sido liberado pela Justiça para visitar a família em Mata Grande, durante as festas de fim de ano, mas o mesmo não retornou para o regime prisional em que se encontrava.

Ainda de acordo com Cavalcanti, o outro preso, “Lalinha”, foi encontrado em uma casa situada em um Conjunto Habitacional e com eles foi apreendida uma quantidade de maconha equivalente a cerca de 100 gramas. Além disso, o mesmo estava em liberdade condicional pelo assassinato de Erivânio Oliveira, morto a tiros e carbonizado junto com a motocicleta que conduzia, no dia 5 de março de 2011.

Os presos foram levados para a Delegacia Regional de Polícia (1ª-DRP), sediada em Delmiro Gouveia, onde estão reclusos a disposição da Justiça.

Participaram da operação agentes policiais civis das delegacias de Mata Grande e Canapi, além de militares do 3ª Companhia de Polícia Militar (3ª-CIA/9ºBPM).
Share on Google Plus

About Inhapi Informes

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Inhapi Informes ou de seus colaboradores.