Celso Luiz cobra ações do Governo do Estado para conter onda de assaltos em Canapi

[caption id="attachment_4012" align="alignleft" width="296"]Foto: Ítallo Timóteo Foto: Ítallo Timóteo[/caption]

Preocupado com a população que sofre uma onda de assaltos em Canapi, o prefeito Celso Luiz (PMDB) cobra do Governo do Estado o cumprimento de sua obrigação, que é garantir segurança pública a todos os alagoanos. O gestor reivindica o aumento do efetivo policial em seu município e nas cidades vizinhas.

O chefe do executivo municipal diz que desde que assumiu a prefeitura tem se preocupado com a segurança da população, tanto que, além de manter os 24 guardas municipais efetivos, contratou mais 16 pessoas para fazer parte da equipe de segurança do governo, que tem as mesmas funções da Guarda e auxilia o trabalho da Polícia Militar (PM) na cidade.

A iniciativa resultou na diminuição da criminalidade durante todo o ano de 2013, mas nesse início de 2014 a tranquilidade acabou com os frequentes casos de roubos de motos e assaltos à estabelecimentos comerciais. As investidas criminosas acontecem quase todos os dias, principalmente na zona rural.

O último caso registrado pela polícia aconteceu na segunda-feira (3), por volta das 15h, quando uma motocicleta Honda CG 150cc foi tomada em assalto, cometido por dois motoqueiros armados, em uma estrada vicinal, no Sítio Santa Rosa.

O Grupamento de Polícia Militar (GPM) dispõe apenas do plantão de dois policiais por dia que têm o dever de garantir a segurança de mais de 17 mil habitantes, em um município que faz limite com outros, onde a situação também é crítica, como é o caso de Inhapi, Mata Grande, Maravilha, Ouro Branco e Senador Rui Palmeira, além de Itaíba e Manari, estes dois últimos no Pernambuco.

No povoado Carié tem um posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), mas não há patrulhamento corriqueiro no único trecho não asfaltado da BR-316 que cruza o município, situação ideal para desovas de corpos e refúgio de bandidos.

Nos outros municípios vizinhos, a falta de segurança também tem deixado os moradores assustados. Inhapi tem se destacado com o aumento na prática de assaltos e homicídios, mesmo com o desdobramento dos militares do GPM local. Em Mata Grande, a Companhia da PM, com o contingente de três policiais, não tem sido o suficiente para evitar que as agências bancárias da cidade sejam atacadas por quadrilhas.

Um morador canapiense que não quis se identificar fez uma análise da situação. “Em Pernambuco a polícia tem um bom efetivo, o policial é valorizado pelo governo e não dá vez a bandido, que se sente sem espaço para agir e corre para nossa região, que é totalmente desprotegida.” Disse.

Nossa reportagem levantou que um grupo de homens de Canapi estaria se organizando para fazer justiça com as próprias mãos, estando incluído no plano perseguir e matar os bandidos que cometessem crimes na cidade.

Celso Luiz não apoia a suposta iniciativa e diz que o melhor caminho é esperar que o órgão competente tome as devidas providências, já que ele como prefeito está constantemente cobrando uma solução da Secretaria de Defesa Social do Estado (SEDS).

Tentamos contato com a assessoria da SEDS, mas uma jornalista responsável pelo setor pediu para que falássemos com a Polícia Militar (PM), já que o assunto estava relacionado ao contingente policial.

A assessoria da PM informou que realmente o efetivo disponível é pequeno, mas como houve um concurso público recente e novos soldados estão sendo formados, há uma previsão de que em pouco tempo esses militares reforcem o policiamento no interior. Ainda de acordo com a assessoria, por enquanto a corporação vai continuar trabalhando com a tropa que dispõe.
Share on Google Plus

About Inhapi Informes

    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. meu amingo lembro muito de ti com muito orgulho de ser desta terre morro em sampa mas meu corançao esta sempre ai nesta terra minha terra

    ResponderExcluir

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Inhapi Informes ou de seus colaboradores.