Operação prende 12 pessoas acusadas de estupro de vulneráveis em Água Branca

Uma operação desencadeada nesta quinta-feira (21) prendeu 12 acusados de participação em crime de estupro de vulneráveis, em Água Branca, no Sertão alagoano.

O trabalho foi realizado depois que uma denúncia anônima chegou ao conhecimento de chefe de operações, José Afrânio (Castelo), da delegacia distrital daquela cidade.

Policiais civis das delegacias de Delmiro Gouveia, Mata Grande, Canapi, Inhapi e Água Branca participaram da operação, nas zonas urbana e rural deste município.

As investigações, comandadas pelo delegado regional de Delmiro, Manoel Wanderley, apuraram que os acusados abusaram sexualmente três meninas, com idade entre seis e doze anos.

Segundo o chefe de operações, uma das meninas – de 11 anos – contraiu doença venérea (gonorréia).

Os estupros aconteciam em vários locais, inclusive no banheiro público da cidade e numa sorveteria pertencente a um dos acusados.

Os mandados de prisão foram expedidos pelo juiz Kléber Rocha, de Água Branca. O promotor José Antônio Malta e o Conselho Tutelar municipal também acompanham o caso.

Foram presos, na operação: Alvino Sandes Lima, 90 anos; Francisco Xavier Neto, 73, conhecido como “Chico de Izadias”; José Euclides de Souza, 82, o “Pernambuco”; Jovileu Ferreira Batista, 65, o “Leu”; Marevaldo Manoel da Silva, 50, “Mareval”; Manoel Messias Vieira da Silva, 70, “Mané Macedo”; Luiz Francisco dos Santos, 50, “Luquinha”; José Cardeal, “Zé do Piolho”, 76; Cícero Luiz da Silva, 31; José Cláudio Lima da Silva, “Cacau”; Severino João dos Santos, o “Major”, e Manoel Francisco dos Santos, 61 anos, conhecido como “Lila”.
Com Cícero Luiz da Silva, os policiais civis apreenderam um revólver, calibre 38.

O delegado Manoel Wanderley informou que os presos serão conduzidos ao IML de Maceió, e por volta das 16 horas de hoje, farão exames de corpo de delito.
Share on Google Plus

About Inhapi Informes

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Inhapi Informes ou de seus colaboradores.