Vereadores são surpreendidos com queda de energia



O problema, que já virou rotina no Estado, pegou de surpresa os vereadores de Maceió. Durante a sessão ordinária desta terça-feira (17), o fornecimento de energia da Casa de Mário Guimarães foi interrompido.

O plenário ficou às escuras. O presidente da Mesa Diretora, Galba Novaes, foi surpreendido pela queda de energia, durante seu pronunciamento. “Em 15 anos de parlamento, nunca faltou energia durante uma sessão. Essa é a primeira vez”, ironizou Novaes.

Já o vereador João Luiz também criticou os serviços da Eletrobrás. "Não adianta realizar sessão pública nesta Casa porque as desculpas são sempre as mesmas. Nós pagamos em nossa igreja quase dois mil reais por mês para não termos energia. Estou entrando na justiça para reaver prejuízo com nossos equipamentos", esbravejou Luiz.

A transmissão da sessão pelo canal da TV Assembleia foi suspensa.

Eletrobras inspeciona rede

Um defeito em um conector instalado em um poste localizado no calçadão da Rua do Comércio é o motivo da falta de energia que atinge parte do Centro de Maceió. De acordo com o Centro de Operação, as equipes que atendem à ocorrência tiveram que desligar um dos alimentadores, que atendem à região, para efetuar os reparos.

Nesse momento, as equipes realizam manobras para isolar o trecho e restabelecer o fornecimento para o maior número de consumidores possível. A falta de energia também afeta o bairro do Prado. A previsão é que o serviço seja restabelecido em aproximadamente uma hora.

Duas equipes de atendimento emergencial da Eletrobras Distribuição Alagoas estão focadas na ocorrência, a fim de resolver o problema o mais rápido possível. A Distribuidora ressalta que o primeiro registro foi feito às 9h55, pelo Call Center da Distribuidora e imediatamente os técnicos foram enviados ao local para inspecionar a rede elétrica e identificar o problema.

Lei não é aplicada

O acidente entre uma motocicleta e um caminhão que aconteceu no final da manhã desta última segunda-feira (16) vitimando um casal, entrou em pauta na Câmara de Maceió. O vereador João Luiz (DEM) questionou a aplicação da lei na capital alagoana, mostrando que um caminhão de cinco toneladas não poderia trafegar naquele momento na região.

“É um absurdo que as leis não sejam cumpridas na capital. Existe uma lei que proíbe o tráfego de carros pesados na área do bairro do Farol, mesmo assim, esse veículo estava lá. De quem é a culpa?”, questionou João Luiz.

O acidente aconteceu após o condutor da motocicleta colidir com um carro pequeno e, logo depois, ser atropelado por um caminhão que estava de forma irregular.

“Já dirigi caminhão por anos. Todos nós sabemos que um veículo deste porte não pode parar de forma abrupta, senão o condutor é esmagado pela carga. A culpa é de quem não fiscaliza as leis que são aprovadas por esta Casa”, afirmou o pastor.

Em aparte, o presidente e autor da lei que proíbe o tráfego no bairro do Farol, Galba Novaes (PRB), revelou que no próximo dia 26 o parlamento irá apreciar, em segunda discussão, o projeto de lei que fiscalizará a aplicabilidade da lei aprovada pela Casa de Mário Guimarães.

Com informações da Sessão Pública e Assessoria

Share on Google Plus

About Inhapi Informes

    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

  1. parabéns Aldo do bar, sou do ouricuri, compadre de bastião firme, estou aqui em sp , em dezembro estarei ai, pra gente tomar umas cerveja se deus quiser, e de atitudes como essas que os governantes teriam q ter por isso q eu tiro o chapéu pra vc porque vc e um cara com atitude, pergunte a bastião e a Cicinho de Aubeto que eles sabem quem eu sou, vc pode ñ lembra de mim mais eu lembro muito bem de vc, obrigado e um abraço pra vc e familia !!!

    ResponderExcluir
  2. Srs. do Inhapi informes;

    Estava lendo a informação de que havia sido aprovado a lei de identificação dos logradouros públicos da nossa cidade, pois bem, mas já existe uma lei aprovada na gestão do ex-presidente Elias galego, onde estabelece a confecção de placas e números das ruas, bem como foram dadas nomes de ruas criadas pela administração passada, só que essa administração passada não confeccionou as devidas placas. Por isso, foi aprovada uma lei sem necessidade, porque já existe essa determinação e mais, de acôrdo com essa lei em epígrafe, Inhapi tem quatro bairros que são eles; Tipí, Primavera, Monte Castelo e o Centro. Quero só explicar aos internautas do Inhapiinformes que já existe essa lei, falfa apenas o prefeito atual mandar confeccionar as placas.
    Obrigado pela atenção.

    ResponderExcluir

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Inhapi Informes ou de seus colaboradores.